quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Liderança na igreja

Ser líder na contemporaneidade é um grande desafio. Em se tratando de igreja esse desafio se torna mais complexo, pois se lida com conceitos espirituais que nem sempre são distintos dos conceitos materiais.

Infelizmente temos carência de pessoas capacitadas para fazer a obra de maneira mais eficaz. E não estou subestimando o conceito de que “Deus capacita os escolhidos”. Creio nisso, mas a verdade é que as funções dentro da igreja (e falo de minha denominação) não são claramente compreendidas e comumente se percebe líderes confusos com suas atribuições por, justamente, acreditarem que Deus é que faz tudo por eles ou que Deus comanda tudo o que eles fazem, ou seja, parece que acreditam ser ‘marionetes’ na mão de Deus.

Eu penso que a capacitação de Deus vem quando, primeiramente, a pessoa se prontifica a realizar algum tipo de serviço na igreja e, posteriormente, quando essa pessoa busca a contínua capacitação por outros meios.

Não é ficar esperando a ‘revelação de Deus’ para agir, mas dar outros passos, certos de que Deus em tudo vai ajudar. Não estou me referindo a agir sem a orientação de Deus. Este assunto comentamos em aulas anteriores. ‘Consultar a Deus’ como Davi fez por diversas vezes, presumi-se um apego às coisas divinas.

A consulta a Deus então se torna natural. A dedicação a leitura e aplicação da Palavra, a observância aos valores divinos, a defesa da causa de Cristo são referenciais de quem ‘consulta a Deus’ constantemente e deste modo a obra com certeza se fortificará.

Quero, de forma peremptória, ressaltar que meu ponto de vista sobre liderança não é uma crítica direta aos líderes comuns (que são denominados coordenadores) de nossa igreja ministerial, mas a faço aos ‘líderes mor’ que são os responsáveis.
Enquanto houver mentalidade como “Deus não muda e por isso a igreja não pode mudar” ou “sempre foi assim pra quê mudar?”, sempre então haverá deficiência nas lideranças comuns.

Precisamos renovar nosso entendimento, examinar tudo e reter o que é bom. Precisamos dinamizar nosso modelo de liderança, livre de retaliações, livre de ortodoxos.
Como preconizei, liderar é um grande desafio!

5 comentários:

clebson disse...

" E mas omenos isso!!! pra liderar hoje um departamento na igreja, é preciso alem de tudo ter chamada, sob o trabalho q for dado, um lider ele tem q estar pronto para todas e qualquer adiversidade q vinher ao ser encontro, quer ex maior q Moises? é facil liderar quando nois houvimos opiniões, pois delas sempre sairá um boa ideia, e o lider terá uma boa imagem do seu trabalho (grupo)!!!!!

Sérgio Pereira Ferreira disse...

Meu conceito de liderança na igreja e um pouco critico.
Acredito que existem muitas pessoas na igreja que exercem cargos de liderança por que oram muito e falam muito em línguas. Às vezes essas pessoas só estão em cargos de liderança porque é amigo do fulano de tal ou parente de ciclano, pessoas indicadas pelos homens e não por Deus.
Deus ele escolhe quem ele quer para liderar seu povo .
Mas eu não acredito num Deus cego que não aproveita as aptidões naturais do ser que Ele mesmo criou para coloca-lo (a) à frente de um povo.
Nem toda pessoa nasceu para ser líder, liderança na minha opinião já nasce com cada a pessoa, é algo natural. Ai Deus que conhece a todos aproveita as habilidades naturais, de cada pessoa, disponibiliza as ferramentas espirituais necessárias e coloca essa pessoa como líder do seu povo.
Evidentemente existem líderes formados, arranjados, indicados, patrocinados, e outras coisas mais.
Como Paulo disse: “ a igreja é um corpo, porém possui inúmeros membro diferentes”, se você nasceu “mão” não queira ser ‘pé”.
__ Então se eu sou o porteiro da igreja nunca serei um líder ?
Não estou dizendo isso só estou afirmando que cada um de nós tem o seu chamado e se você foi chamado para ser o porteiro da igreja cumpra com dedicação aquilo que Deus colocou em suas mãos pois, Deus é justo e te dará o seu galardão.

Sugestão para próximos debates: No que é baseado Galardão ????
Um abraço a todos e fique na Paz do Senhor Jesus.

Paulo MS - Ausente nas EBD mas de @@ disse...

Primeiro vou deixar como sempre minha observação à ilimitada gama de formas linguísticas que vc usa nos blogs=P
..o que é mesmo "peremptória"??
acho q vi isso em alguma matéria de biologia orgânica kkkkkkkkk (zuando rss)

Mas enfim..questão de liderança nas comunidades cristãs.. Pelo que entendi da matéria, vc deixou claro que é iminente a adoção de mudanças.. claro que pros ortodoxos, quaisquer que sejam elas parecem ser sempre coisas "radicais".. Então que sejamos a Esquerda! asuhaushu!

Quer dizer eu não o.O
A Íris, foi tudo idéia dela ^^
Seguir a vocação de líder eh no meu ver, algo provisório ou não. Mas que seja pra crescer a obra.. se isso acontece, está na direção de Deus. Como foi dita a Palavra último domingo, se segue um caminho plano, reto, em outras palavras, objetivo (concernente com os de Deus), está alcançando o objetivo principal da Igreja, resgatar almas. E uma liderança "reta" é primordial para tal sucesso.

Vlw.

Iris disse...

hahaha..ai Paulo eu dou mtas risadas com vc..que sejamos "esquerda" então! rs
Bom..legal..a liderança deve seguir o caminho de Deus..o verdadeiro, mas é justamente isso q critico. As 'misturebas' q fazem. Exemplo: Se um líder está atarefado de funções pessoais e na igreja prefere (alguns) se enrolar todo do que deixar o cargo pq ele não sabe qual é a 'hora de Deus' para sair do cargo e assim vai empurrando com a barriga. Mas eu vejo isso como falta de orientação dos 'cabeças'..isso tem q ser ensinado pra que as coisas de Deus sejam feitas com mais dedicação e consciencia limpa! Acho q é isso..

Lucas Martins disse...

Achei interessante o que José Gonçalves, comentarista da Lição Bíblica, afirmou que "as técnicas mudam, mas os princípios do caráter não". Este cárater que ele se refere, é o cárater cristão. Concordo com os comentários já postado, mas gostaria de fazer um adendo para ampliarmos a reflexão.
A massa acredita que todo líder deve ser flexível, i.e., dentro da concepção dessa maioria é "tentar agradar gregos e troianos". Digo isto dentro do contexto das igrejas cristãs. Tomando por base a citação de Gonçalves, para eu, a flexibilidade faz parte da técnica e não do cárater. Sendo assim, sua utilização dependerá do contexto, dos liderados, pois vemos nas igrejas líderes que tentam agir de forma "flexível" dentro da concepção da massa, e por isso, se perdem em seus objetivos. Muitas vezes não se atentam ao caráter cristão para tomarem determinadas decisões, mas procuram "agradar" a todas pessoas por acreditar que assim estarão sendo bons líderes. Essa minha visão é apenas de uma das facetas desse tema tão debatido, Liderança.

DICA: Livro "O Monge e o Executivo - Uma história sobre a essência da Liderança" de James Hunter. (ah, no site da FNAC está apenas R$13,70)
Graça e paz!